Reprodutibilidade X Autenticidade

3 abr

Durante muito tempo, a arte foi para poucos. Uma obra era única e possuía um caráter praticamente sagrado. O artista era um ser superior, um gênio à parte da sociedade, que tomado por uma inspiração divina executava sua obra que seria extremamente valorizada, e nunca haveria igual. Estamos falando de tempos antigos, Renascimento, certo? Também. Mas quem conhece o meio da arte, sabe que a coisa não mudou muito, mesmo tendo toda potência e meios para mudar. E, mesmo hoje em dia, a “arte” continua sendo de acesso para poucos, muitas obras são feitas com a intenção de serem únicas, os artistas que alcançam status são considerados superiores e suas obras custam fortunas. Indo em outra direção, vemos artistas fazendo obras transformadoras e as reproduzindo, para todos terem acesso a obra, indo bem além das quatro paredes de um museu. Qual é a função da arte se não atingir a todos? Pra que uma arte que só atinge a um grupo seleto de pessoas? A arte tem que ser transformadora, e para ser transformadora tem que ser reproduzida. O cinema é incrível, pois rompe com toda a estrutura de arte que estava em vigor, o cinema circula por todos os lugares. E a arte deve circular. Sejam quadros, vídeos, filmes, fotografias, teatro, tudo deve ser passível de ser reproduzido.

Todos devem ter direito a fazer arte, a sua arte, independentemente dessas pessoas que ficam querendo ditar o que é arte e o que não é. Pois para elas, a arte é aquilo que está próximo do seu modo de vida acadêmico e ocidental. Nesse mundo da arte, o que mais vemos são pessoas se achando superiores, é um mundo de vaidades e de desrespeito com o próximo. Mas pouco importa isso no contexto geral, toda sociedade produz arte e continuará produzindo independente do que essas pessoas digam (se é arte ou não é). É preciso respeitar o modo de cada um de fazer e ver a arte. A idéia de um “gênio criativo” é extremamente eurocêntrica; qualquer pessoa pode fazer arte! Há muitos grupos que querem ter expressão, querem ser ouvidos através da arte, porém, o que muitas vezes a sociedade faz é querer enfiar goela abaixo deles uma arte de elite, que para eles (sociedade) é o modo de arte certo, é como esse grupo deve ser… Sendo que o grupo quer é meios para produzir sua própria arte, para reproduzir e para divulgar, mas não tem oportunidade por estarem à margem.

Diante da importância de se divulgar uma idéia, diante da grandeza que é todos terem acesso a arte, do que importa a autenticidade? Qual a finalidade de uma obra ser única e intocada? E não estamos falando só das artes plásticas, estamos falando também de música, cinema, literatura! A internet tem uma potência incrível de divulgação e reprodução, e atualmente vemos pipocando um monte de bandas, filmes, livros independentes e livres para quem quiser baixar, isso é ótimo! Inclusive, nesse blog pode copiar o que quiser, não há direitos autorais por aqui, a nossa intenção não é ser reconhecido individualmente e sim explanar idéias. Não importa quem está atrás dessas idéias, o que importam são as idéias. Explane idéias também, faça arte! Viva a arte livre e independente.

Anúncios

Uma resposta to “Reprodutibilidade X Autenticidade”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: